Medo de esquecer.

12 06 2009

Olá a todos.

Já moro a um bom tempo no Japão e as vezes penso no meu querido Brasil, mas as lembranças que tinha estão cada vez mais desbotadas, tenho consciência que nesse tempo que estou aqui, muita coisa mudou, e tenho certeza que vou me assustar quando voltar.

Digo isso pois morando por vários anos em um outro país, parece que o Brasil, e as pessoas que ficaram lá, ficaram parados no tempo para mim, fico relembrando as coisas, e a imagem que fica é aquela última, de antes de sair do país. Esqueço que as crianças crescem, e vou me assustar ao me deparar com adultos, esqueço que as pessoas envelhecem, e vou me assustar quando encontrar os rostos marcados pelo tempo, e o mais triste, esqueço que o tempo segue adiante, e também leva os mais velhos, e ficarei triste, por saber que nunca mais vou reencontrar alguém querido.

Mas mesmo sabendo de tudo isso, insisto em me apegar a lembranças antigas, saudades de algo que já se foi a muito tempo, mas que me dão a identidade de brasileiro, pois tenho medo de esquecer e perder minhas raízes.

É só por enquanto, um abraço.

Anúncios




Nossa língua portuguesa?

26 03 2009

Pergunta

Depois de muito tempo aqui no Japão, começo a sentir muita falta da língua portuguesa, não aquela falada hoje pelos brasileiros que estão aqui, mas aquela que me lembro, ouvida no dia-a-dia lá no Brasil, aquela língua cheia de variações e nuances que era diferente para cada pessoa que conversava, desde o engraxate até o gerente do banco.

Aqui tenho visto uma constante diminuição do vocabulário das pessoas. O fato de se conviver em um ambiente de poucas pessoas, brasileiros eu quero dizer, e o fato também de se falar sempre sobre os mesmos assuntos dentro das fábricas, mais a falta do hábito da leitura, vai tornando o vocabulário das pessoas um tanto limitado.

Todas estas coisas juntas vão aos poucos minando o vocabulário já um tanto pobre, tornando-o limitado ao ponto de não se conseguir lembrar de palavras corriqueiras usadas no dia-a-dia, mais de uma vez em conversas entre amigos ouvi a frase, “como é que se falava isso em português mesmo?”, ou então as pessoas sem se dar conta, acabam misturando palavras da língua japonesa no meio de frases, para tapar os buracos causados pelo esquecimento dos termos em português.

Mas apesar de tudo defendo a idéia de que é necessário um auto-policiamento forte, para não se cair na armadilha de misturar os dois idiomas, pois automaticamente nos expressamos da maneira que o meio se expressa, ou seja se todos falam errado, ou com um vocabulário muito restrito, acabamos por nos deixar contaminar também. Claro que isso é um efeito da mescla de culturas e chega a ser inevitável, mas na medida do possível gostaria que brasileiros praticassem ao menos falar o português e se orgulhassem de nossa língua que é tão rica e melodiosa.

Apesar de tudo posso estar vendo o nascimento de um novo dialeto derivado da mistura do japonês e do português. Infelizmente essa pode ser a realidade vivida por nós, perdidos aqui do outro lado do mundo.

Por hoje é só, qualquer opinião, deixe um comentário.

Um abraço.





Quem somos nós? E para onde vamos?

3 03 2009
Brasil Japão

Brasil ou Japão?

Olá a todos.

Ultimamente tenho tido tempo de sobra para pensar sobre a vida e sobre esse tempo que passei aqui no Japão. Já vi muitas pessoas irem e voltarem ao Brasil, e já conversei com várias pessoas sobre o assunto de voltar ou não ao Brasil.

Alguns preferem ficar para sempre por aqui, outros odeiam essa terra e não vêem a hora de voltar, existem casos e casos. Alguns ficam por falta de opção, não sabem o que fazer se voltarem, outros ficam por gostar da estabilidade e da segurança daqui, e outras vão ficando por criarem raízes aqui, acabam casando e ficando também.

Aqueles que se vão, ficam por um tempo, juntam tudo que podem e vão embora, entre eles existem os que até gostam daqui mas as raízes estão no Brasil e acabam voltando. E existem aqueles que vieram mas odeiam esse país, gostam apenas do dinheiro e mais nada, não conseguem se adaptar nem a língua nem a cultura, e no final acabam sofrendo mais do que o necessário.

Mas o que temos em comum é o fato de sermos exilados em um país estranho, forçados a buscar nosso futuro em outras terras, alguns não se sentem nem brasileiros mais, são apenas refugiados econômicos sem uma bandeira que os identifiquem, se desligam de um mundo, o Brasil, e acabam não se ligando ao outro pois não são japoneses também, e no final acabam ficando no vácuo entre os dois mundos, sem uma identidade definida.

Mas apesar de todos os sacrifícios, no final acho que o que vale mesmo é a experiência de conhecer outro país, isso abre os horizontes de qualquer um, principalmente aqui no Japão. Tive oportunidade de conhecer pessoas de vários lugares do Brasil, conhecer pessoas de temperamentos, costumes e maneiras de pensar diferentes, e também pessoas de outras nacionalidades, Americanos, Russos, Mexicanos, Argentinos, Peruanos, Chilenos, Chineses, Coreanos e a lista vai longa ainda. Tudo graças ao fato de ter vindo para cá, e as vezes penso se tivesse ficado lá no interior onde morava no Brasil, hoje seria e pensaria da mesma maneira, e se teria lá, a oportunidade de ter aprendido tanto, posso imaginar, mas nunca vou saber.

Mas quem pode saber o destino de cada um? No Japão existe um ditado que diz “Sumeba Miyako”, que significa “qualquer lugar que se more, acaba tornando-se um lar”. E o lar de cada um é onde está seu coração.

Um abraço e até outra.





Quando o Japão vai se reerguer?

14 02 2009

005

Tenho visto muitos acessos nesse blog em busca de informações acerca da situação econômica do Japão, e também sobre as previsões de melhora da economia do país, e vejo que isso reflete a grande preocupação de todos sobre a atual situação do Japão.

Sinceramente falando, não sou nenhum especialista em economia, apenas escrevo minhas impressões, e aquilo que vivo no meu dia-a-dia. Vou tentar aqui resumir as informações que tenho tido acesso via internet, televisão e das conversas que tenho com os japoneses.

Para começar, sobre a situação atual, todos devem ter visto os vários anúncios de demissões e anúncios de prejuízos feitos por grandes empresas, não querendo ser pessimista, tudo indica que a coisa ainda tende a piorar, o Japão ainda não chegou ao fundo do poço, o ano fiscal que termina no próximo mês de março, já indica, segundo os especialistas, o anúncio de grandes prejuízos por parte das empresas em todo o país, e uma série de pedidos de falência também, e para piorar ainda mais, há a previsão de demissões em massa com o fim do contrato dos trabalhadores temporários, que termina junto com o ano fiscal.

Quanto as previsões de melhora da crise, as expectativas são bem conservadoras, segundo informações de várias fontes, há uma tendência de melhora daqui a 6 meses, mas não vai ser uma melhora significativa segundo os especialistas, será mais uma amenizada na queda livre que se encontra o Japão, a partir daí é que aos poucos começa a recuperação da economia, mas na melhor das expectativas, vai levar de 3 a 4 anos para se voltar ao patamar de 2007/2008, a preocupação no momento é se haverá fôlego para uma recuperação.

Outro grande problema apontado por todos, é o governo japonês, enquanto o mundo todo está trabalhando para sair da crise, eles perdem tempo com brigas internas entre os partidos, não se vê nenhuma medida concreta para amenizar a crise, falam muito nas próximas eleições, na tomada do poder pelo partido de oposição, e outras coisas que não indicam nenhuma providência para se combater a crise.

A conclusão que cheguei é simples, é ter paciência, não existe a bala de prata que vai acabar com a crise, vai levar um bom tempo para ela passar, e depende também de muito esforço de todos.

Acho que é isso aí, deixem um comentário se quiserem, até outra.