Declarado estado de histeria.

22 05 2009

Olá a todos.

Nas últimas duas semanas o Japão tem estado em polvorosa por causa dessa onda de influenza H1N1 que finalmente chegou às terras nipônicas, é incrível como um país pode se tornar um inferno de uma hora para outra.

Com os recentes casos que são cada vez mais frequentes, o governo japonês entrou em estado de alerta, e a população, que vive acostumada com uma rotina na qual parece que nada no mundo pode afetá-los, finalmente está tomando consciência de que ninguém está imune a nada nesses tempos de globalização.

O mais incrível é que novamente vejo uma histeria generalizada tomando conta dos japoneses, da mesma forma que aconteceu com a SARS e a gripe aviária da China. A falta de informação e outras várias informações incompletas levam a um medo muitas vezes exarcebado. O estoque de máscaras e desinfetante para as mãos, tem se esgotado, não em questão de horas, mas em menos de uma hora, nas cidades em que se encontram pessoas infectadas. E mesmo o governo tendo colocado a disposição da população, centros de informação para tirar dúvidas, há aqueles que ligam para perguntar as coisas mais absurdas, e olha que alguns tem muita imaginação.

Por exemplo, algumas pessoas ligaram dizendo que apertaram a mão de um estrangeiro, e se havia algum perigo de contágio por causa disso. Outras em um caso mais recente na epidemia que se alastra por Kobe e Osaka, ligaram para perguntar se seria seguro receber correspondência que provinha desses locais. E há pessoas comprando via internet, remédios contra influenza que são proibidos no Japão.

Fora que em algumas cidades estão declarando fechamento de escolas, cancelamento de casamentos, shows e eventos esportivos, tudo para evitar a aglomeração de pessoas, e algumas empresas estão obrigando seus funcionários a trabalhar com máscara, para evitar uma contaminação que em muitos lugares, ainda nem existe.

A verdade por trás de tudo é que o Japão, com sua alta concentração populacional, é um lugar muito difícil de se barrar uma doença como essa, e as dores de cabeça do ministério da saúde do Japão, estão apenas começando.





Onde isso vai parar.

20 05 2009

Olá pessoal.

Encontrei ontem uma notícia no site do G1, que me deixou preocupado, a xenofobia, que é um comportamento considerado normal em tempos de crise, está começando a tomar forma também no Japão.

Enquanto vivemos na incerteza do amanhã aqui no Japão, me parece que este país está tentando tornar os estrangeiros responsáveis por uma parte da crise atual, de repente nos tornamos “persona non grata” neste país.

E o mais incrível de tudo é que internamente, não há nenhuma informação sobre as declarações da reportagem, eles simplesmente omitem dos noticiários qualquer informação que possa ser constrangedora para o governo japonês. O governo japonês, despachando os brasileiros? Mentira, não ouvi uma só palavra na TV nem nos jornais. Essa é a reação dos japoneses, eles preferem fechar os olhos para os problemas, pois o que os olhos não veem o coração não sente.

Pior para nós os descendentes, que temos tanta afinidade com essa terra, pois achamos que somos como irmãos que vieram de fora e seríamos aceitos facilmente, ledo engano, pois quando a coisa aperta ouvimos afirmações cínicas de políticos que  não sabem o quanto é sofrido viver e trabalhar em um país estranho. Na época em que o Japão precisava de mão de obra e os jovens desse país não queriam trabalhar em serviços pesados e sujos, viemos e demos nossa contribuição, e agora que não somos mais necessários simplemente somos convidados a nos retirar.

E a sociedade no geral, simplesmente ignora esse fato, pois com uma mídia manipulada, não se tem conhecimento de nada, nem desse “incentivo” do governo para a retirada dos estrangeiros, nem das afirmações polêmicas de alguns políticos, a xenofobia está se tornando um cinismo deslavado, e nós as “vítimas” disso, somos obrigados a aceitar tudo sem discutir.

E sobre essa idéia de “exigir o conhecimento do idioma japonês para a liberação do visto”, eu duvido que metade dos estrangeiros passe em qualquer prova que o governo venha a exigir, e principalmente os que estão faz pouco tempo no país, pois muitas províncias e prefeituras não tem um programa que ajude o estrangeiro a se integrar a comunidade japonesa. Simplesmente muitos apontam dizendo isto ou aquilo é errado, mas não fazem muito para ensinar os costumes e as regras da vida no Japão. Simplesmente fecham os olhos para o fato de que não vivemos de graça aqui, também pagamos impostos como qualquer japonês, tudo o que eles pagam nós brasileiros também pagamos, e agora somos simplesmente convidados a nos retirar, como se o tempo em que estivemos aqui, fosse um favor gratuito feito pelo governo japonês.

Por isso me pergunto, onde é que vai parar tudo isso, o cinismo de um governo que agora quer lavar as mãos, quando vê que não há como arrumar facilmente uma colocação para os estrangeiros, mais a xenofobia de um povo, que acha que todos os problemas serão resolvidos apenas ignorando a presença desses estrangeiros do seu quintal.

E assim caminha o Japão nos dias de hoje.





Vizinhança problemática.

5 04 2009

trajetoria
Como todos devem ter visto nos noticiários, o momento é de tensão entre o Japão e a Coréia do Norte. Com esse negócio de lançar um foguete, que ninguém sabe na verdade se é mesmo um foguete ou um míssil, eles conseguiram acabar com a paz deste país.

Já faz alguns dias que não se fala em outra coisa nos noticiários e jornais, parece até que vão jogar o míssil no Japão, o que não é verdade, segundo o pessoal de lá, dizem que é apenas um satélite, mas por vias das dúvidas o Japão armou um esquema para derrubar qualquer objeto voador ou destroço que possa cair em território japonês. Juntamente com isso, existe um esquema para alertar todo o país se algum destroço não abatido for cair por aqui, só ontem, foram dois alarmes falsos que deixaram todos preocupados.

Tudo isso volta a azedar a já não muito boa relação entre os dois países, que já tinham problemas com o sequestro de cidadãos japoneses pelos norte-coreanos, algo que não admitem, mesmo com provas e testemunhas.

Como o Japão não tem Forças Armadas, a única coisa que pode fazer é reclamar com seu parceiro, os Estados Unidos, que diz algumas coisas mas não faz nada, pois afinal de contas, já tem problemas demais para se preocupar, e não está dando muita bola para um ditadorzinho qualquer.

Enquanto isso, a Coréia do Norte late, o Japão chora e nós que estamos em território japonês nos preocupamos.

Vizinhos problemáticos existem até nos melhores lugares.





Outra vez sobre a crise.

28 03 2009
crise1

A coisa tá feia

Mais uma vez volto a falar sobre a crise aqui nesse blog, mas fazer o que, esse é o assunto que tem agitado o Japão e o mundo nos últimos tempos.

Por aqui, as coisas não mudaram muito, ainda há muitos desempregados, e eu me incluo nesse grupo ainda, e ainda há uma tendência das coisas piorarem se o governo não acelerar as medidas para aquecer a economia.

E sobre a crise no Japão? Quando o Japão vai sair dessa?

Sobre essas perguntas, as opiniões ainda são muito diversas, há especialistas dizendo que vai piorar, há outros que dizem que vai melhorar, e há os que não tem previsão nenhuma, é esperar para ver.

Vamos começar pelas boas notícias, o pacote de incentivo do governo japonês, que no início foi muito criticado, finalmente começou a entrar em vigor, e com o anúncio de um aumento na verba de incentivo, feito pelo governo japonês na reunião do G20, deu um novo ânimo ao mercado de ações, mas por enquanto aqui embaixo onde está a grande maioria da população, ainda não se sentiu efeito nenhum. Mas isso não deixa de ser uma boa notícia nessa depressão que tem assolado o Japão nesses últimos tempos, e ao menos por enquanto houve uma refreada na queda livre em que se encontra a economia.

Agora as más notícias, a queda na produção das empresas está se fazendo sentir no mercado de consumo. Com as vendas em baixa as fábricas estão diminuindo as horas de trabalho e em consequência os trabalhadores ganham menos, e ganhando menos, gastam menos e aí se criou um círculo vicioso que no momento só tende a aumentar. O setor de serviços era o único que ainda se mantinha estável, mas como o dinheiro está parando de circular há uma retração maior vindo por aí. E ainda há o tão temido fim do ano fiscal, que virá com uma nova onda de desemprego e falências.

O que mais assusta nesse cenário todo, não só aqui no Japão mas em todo o mundo, é o movimento protecionista que se alastra por toda a parte, a Comunidade Européia começou dificultar a colocação de estrangeiros no mercado de trabalho, uma medida polêmica, mas como o xenofobismo é sempre o sintoma clássico nesses casos, já era de se esperar que algo assim aconteceria. Aqui no Japão as coisas ainda não chegaram a esse extremo, mas cedo ou tarde vai começar, pois é uma tendência natural dos países tentar proteger seus cidadãos.

Entre boas e más notícias, uma coisa continua sendo válida, nós que estamos aqui, devemos nos preparar da melhor maneira possível para poder competir no mercado de trabalho. Como sempre digo a todos, a importância de falar a língua da terra em que se vive, a importância da comunicação, do respeito pelos costumes, da aceitação da cultura, tudo é válido para se melhorar as chances de encontrar um emprego, e também melhorar a qualidade de vida.

É isso aí, até outra.