Preconceito ou não?

3 06 2009

Olá a todos.

Tem horas que fico de saco cheio dessa terra, principalmente quando fica evidente alguma diferenciação pelo fato de ser brasileiro.

Quem está lendo meu blog, pode perguntar o porque dessa minha afirmação, pois na maioria de meus posts, procuro mostrar o Japão, e os japoneses, não com seres de outro planeta, mas como pessoas comuns, da maneira que eu vejo.

Mas tem horas que não dá, principalmente quando vou procurar um emprego, sinto que muitas vezes sou visto como um estorvo, aquela velha mania dos japoneses pensarem que por eu ter vindo de um país pobre, também sou intelectualmente pobre, sem capacidade de executar um trabalho que porventura me seja ordenado.

Tudo bem, até entendo o lado deles, se você vai contratar alguém para trabalhar, é até normal que queira o melhor, o mais preparado, mas sem nem mesmo procurar saber qual é a capacidade do candidato, já ir dizendo que o trabalho é difícil, que não sabe se você vai se adaptar, que pode ter problema com a língua, e outras afirmações que demonstram que o entrevistador está claramente duvidando de sua capacidade, justamente pelo fato de ser brasileiro, são coisas que não suporto.

Digo isso, não por me achar melhor que os outros, mas por ter me preparado, aprendido a língua, os costumes e a cultura dessa terra, e creio que nesse quesito, não devo nada a ninguém. Mas sempre acabo batendo de frente com essa barreira, que é o fato dos japoneses acabarem vendo os brasileiros, como refugiados econômicos acampando no quintal deles.

Creio que enquanto durar essa crise econômica, estamos fadados a essa sina, sermos visto como um problema, algo que deveria ser erradicado, pois não somos os descendentes dos bravos japoneses que foram ao outro lado do mundo, como sempre é dito nas comemorações da imigração, somos na visão deles, uns pobres coitados que vieram em busca de migalhas da fartura nipônica. E agora que não há mais essa fartura, somos um problema, apenas isso.

Deixo aqui o meu protesto, pois não existe ninguém totalmente incapaz, existe sim a incapacidade de se dar uma chance a nós brasileiros, para provarmos que podemos sim, trabalhar e viver dignamente nessa terra.

É isso aí pessoal, até outra.

Anúncios




Onde isso vai parar.

20 05 2009

Olá pessoal.

Encontrei ontem uma notícia no site do G1, que me deixou preocupado, a xenofobia, que é um comportamento considerado normal em tempos de crise, está começando a tomar forma também no Japão.

Enquanto vivemos na incerteza do amanhã aqui no Japão, me parece que este país está tentando tornar os estrangeiros responsáveis por uma parte da crise atual, de repente nos tornamos “persona non grata” neste país.

E o mais incrível de tudo é que internamente, não há nenhuma informação sobre as declarações da reportagem, eles simplesmente omitem dos noticiários qualquer informação que possa ser constrangedora para o governo japonês. O governo japonês, despachando os brasileiros? Mentira, não ouvi uma só palavra na TV nem nos jornais. Essa é a reação dos japoneses, eles preferem fechar os olhos para os problemas, pois o que os olhos não veem o coração não sente.

Pior para nós os descendentes, que temos tanta afinidade com essa terra, pois achamos que somos como irmãos que vieram de fora e seríamos aceitos facilmente, ledo engano, pois quando a coisa aperta ouvimos afirmações cínicas de políticos que  não sabem o quanto é sofrido viver e trabalhar em um país estranho. Na época em que o Japão precisava de mão de obra e os jovens desse país não queriam trabalhar em serviços pesados e sujos, viemos e demos nossa contribuição, e agora que não somos mais necessários simplemente somos convidados a nos retirar.

E a sociedade no geral, simplesmente ignora esse fato, pois com uma mídia manipulada, não se tem conhecimento de nada, nem desse “incentivo” do governo para a retirada dos estrangeiros, nem das afirmações polêmicas de alguns políticos, a xenofobia está se tornando um cinismo deslavado, e nós as “vítimas” disso, somos obrigados a aceitar tudo sem discutir.

E sobre essa idéia de “exigir o conhecimento do idioma japonês para a liberação do visto”, eu duvido que metade dos estrangeiros passe em qualquer prova que o governo venha a exigir, e principalmente os que estão faz pouco tempo no país, pois muitas províncias e prefeituras não tem um programa que ajude o estrangeiro a se integrar a comunidade japonesa. Simplesmente muitos apontam dizendo isto ou aquilo é errado, mas não fazem muito para ensinar os costumes e as regras da vida no Japão. Simplesmente fecham os olhos para o fato de que não vivemos de graça aqui, também pagamos impostos como qualquer japonês, tudo o que eles pagam nós brasileiros também pagamos, e agora somos simplesmente convidados a nos retirar, como se o tempo em que estivemos aqui, fosse um favor gratuito feito pelo governo japonês.

Por isso me pergunto, onde é que vai parar tudo isso, o cinismo de um governo que agora quer lavar as mãos, quando vê que não há como arrumar facilmente uma colocação para os estrangeiros, mais a xenofobia de um povo, que acha que todos os problemas serão resolvidos apenas ignorando a presença desses estrangeiros do seu quintal.

E assim caminha o Japão nos dias de hoje.





É duro ser estrangeiro.

15 05 2009

Olá pessoal, ultimamente não tive muito ânimo para escrever nada para este blog, mas resolvi me mexer um pouco, e tirar a poeira de cima do teclado, que já estava acumulando, desculpem pela demora, e vamos lá.

Essa semana, fui novamente a agência de empregos do governo(Hello Work), para tentar encontrar um emprego.

Tive uma conversa com um dos funcionários da agência, para ver que tipo de emprego seria melhor para o meu perfil. Mas infelizmente não tive sorte dessa vez, os empregos estão cada vez mais escassos, e as empresas estão cada vez mais exigentes na seleção dos candidatos.

Um dos motivos pelo qual os empregos para estrangeiros estão escassos, é o excesso de mão de obra no mercado, não apenas estrangeiros, mas também japoneses, outro agravante é a falta de empresas que estão dispostas a contratar um estrangeiro para trabalhar.

Isso pode soar como discriminação, mas não seria exatamente isso, os brasileiros que estão procurando trabalho hoje, ainda pensam em sua estada no Japão como algo temporário, não pensam em morar no Japão, isso mesmo estando aqui a dez, quinze anos, a maioria pretende voltar ao Brasil “um dia”. Isso para uma empresa japonesa, é muito difícil de se lidar, como contratar uma pessoa que pode de repente ir embora para o Brasil? A empresa que conta com esse funcionário no seu quadro, pode perder todo o investimento feito no treinamento, e pode ter seu quadro desfalcado sem ter tempo para repor um funcionário mais especializado, o que pode gerar muitos transtornos.

Não condeno as empresas por esse tipo de pensamento, creio que elas estão no direito de escolher o que é melhor para a sobrevivência da empresa, mas não deixo de ter um pouco de mágoa, por pensar que somos todos tratados de maneira diferente por sermos estrangeiros.

Me parece que o caminho para se resolver o problema dos brasileiros que eram trabalhadores temporários, ainda tem muito a ser feito, por um lado a desconfiança de um mercado de trabalho que não conhece a mão de obra brasileira e um governo que não sabe como lidar com o grande número de desempregados que abarrotam as agências de emprego. E por outro lado os brasileiros desempregados, que em sua grande maioria não fizeram muito para tentar se adaptar ao Japão, e agora não conseguem se adaptar ao sistema imposto pela crise que afeta o Japão e o mundo.

É isso aí pessoal, um abraço e até outra.





Cansaço.

2 04 2009

Depois de mais de um mês desempregado, já estou me sentindo cansado. Cansado de ficar em casa, cansado de entrevistas, de escrever currículos, de ter que ficar provando aos entrevistadores e aos funcionários da Hello Work(agência de empregos do governo), que sou capacitado para trabalhar, de ter que ficar explicando que falo japonês, que leio 70% dos caracteres da língua japonesa e coisa e tal.

E sse é o problema de morar em outro país, tudo é mais difícil, mas fazer o que, foi uma escolha morar aqui, agora paciência.

Mas pelo menos tenho este blog para me expressar, e tirar um pouco do estresse





Sobre brasileiros e a crise no Japão.

14 03 2009

Alguns dias atras, para minha surpresa, tive meu post  “A falta de preparo.“, citado em um artigo sobre a crise no Japão.

O artigo “Japan, Brazil: Crisis puts an end to the dream of a better life.“(Japão, Brasil: Crise põe fim ao sonho de uma vida melhor.), escrito por Paula Góes, o artigo está em inglês.

Achei interessante saber que existem pessoas fora do eixo Brasil/Japão, que se importam em divulgar a situação passada pelos brasileiros na crise atual.





Encontros e Desencontros.

28 02 2009
Pessoas que perderam emprego e moradia.

Pessoas que perderam emprego e moradia.

Nos últimos posts tenho escrito muito sobre a crise econômica e desemprego, isso pode até parecer meio vago para aqueles que não vivem aqui, mas para nós que moramos no Japão as coisas são mais duras do que parecem.

Com o emprego perdemos grande parte das referências que formam nossa vida social, por exemplo as pessoas com quem estávamos acostumados a conviver, tanto no trabalho como fora dele, pois nossos amigos também se vão em busca de novos empregos. E isso acarreta uma série de transtornos não só ao trabalhador mas para toda sua família, principalmente os filhos que são obrigados a mudar de escola e deixar seus amigos e professores, tudo em prol da sobrevivência, pois sem emprego = sem dinheiro = sem vida estável.  Digo isso porque muitas vezes por não conseguir um emprego na mesma região, os brasileiros são obrigados a procurar em outras províncias, acarretando mais custos com mudança, aluguel de uma casa, fora a burocracia, ter que mudar de telefone, transferir os endereços, registro na prefeitura, e outras coisas mais.

Embora existam pessoas que gostem de conhecer lugares novos e parecem não se importar em ter que mudar(logicamente são na maioria solteiros), a grande maioria quer estabilidade mesmo, nada de ficar pulando de galho em galho sem um rumo certo na vida, mas as vezes é inevitável, você é simplemente obrigado a mudar.

Mas o grande estresse que senti são as fases, ser demitido, procurar um novo emprego e mudar-se, o que há de comum entre essas fases, é a incerteza sobre o futuro, é a pior coisa que existe, depois de passadas essas fases, adaptar-se ao novo ambiente nem é tão difícil, depois de tudo encaminhado acaba-se dando um jeito em tudo.

Infelizmente tudo o que relatei nesse post é algo que está acontecendo hoje, há os que se vão, e há os que ficam, mas sempre tem aquela pontada de tristeza pois somos seres sedentários e sociáveis por natureza, o que nos faz sentir pelo menos um pouco mais humanos e não simples máquinas de produção descartáveis.

Adeus.

Adeus.

Àqueles que se vão, boa sorte, e àqueles que ficam também boa sorte, como o mundo hoje é globalizado, graças a internet, quem sabe nos encontremos por aí um dia nos servidores da vida.

Por hoje é só, se tiver algum comentário, por favor, a palavra é sua.

Um abraço.





Quando o Japão vai se reerguer?

14 02 2009

005

Tenho visto muitos acessos nesse blog em busca de informações acerca da situação econômica do Japão, e também sobre as previsões de melhora da economia do país, e vejo que isso reflete a grande preocupação de todos sobre a atual situação do Japão.

Sinceramente falando, não sou nenhum especialista em economia, apenas escrevo minhas impressões, e aquilo que vivo no meu dia-a-dia. Vou tentar aqui resumir as informações que tenho tido acesso via internet, televisão e das conversas que tenho com os japoneses.

Para começar, sobre a situação atual, todos devem ter visto os vários anúncios de demissões e anúncios de prejuízos feitos por grandes empresas, não querendo ser pessimista, tudo indica que a coisa ainda tende a piorar, o Japão ainda não chegou ao fundo do poço, o ano fiscal que termina no próximo mês de março, já indica, segundo os especialistas, o anúncio de grandes prejuízos por parte das empresas em todo o país, e uma série de pedidos de falência também, e para piorar ainda mais, há a previsão de demissões em massa com o fim do contrato dos trabalhadores temporários, que termina junto com o ano fiscal.

Quanto as previsões de melhora da crise, as expectativas são bem conservadoras, segundo informações de várias fontes, há uma tendência de melhora daqui a 6 meses, mas não vai ser uma melhora significativa segundo os especialistas, será mais uma amenizada na queda livre que se encontra o Japão, a partir daí é que aos poucos começa a recuperação da economia, mas na melhor das expectativas, vai levar de 3 a 4 anos para se voltar ao patamar de 2007/2008, a preocupação no momento é se haverá fôlego para uma recuperação.

Outro grande problema apontado por todos, é o governo japonês, enquanto o mundo todo está trabalhando para sair da crise, eles perdem tempo com brigas internas entre os partidos, não se vê nenhuma medida concreta para amenizar a crise, falam muito nas próximas eleições, na tomada do poder pelo partido de oposição, e outras coisas que não indicam nenhuma providência para se combater a crise.

A conclusão que cheguei é simples, é ter paciência, não existe a bala de prata que vai acabar com a crise, vai levar um bom tempo para ela passar, e depende também de muito esforço de todos.

Acho que é isso aí, deixem um comentário se quiserem, até outra.