Estamos sozinhos nessa terra.

4 06 2009

Olá a todos.

Os dias passam e tenho tentado manter a mente ocupada para não ficar pensando besteira, e fico aqui pensando na visão que tenho do Japão e na vida que os brasileiros levam aqui, são muitas as diferenças e as dificuldades, quando se vive em uma terra tão estranha.

Uma coisa que achei muito estranho, foi  a falta de união que existe entre os brasileiros que vivem no Japão, entre as comunidades de estrangeiros que conheci aqui, fora algumas excessões, nossa comunidade brasileira é a mais desunida, justamente nós que temos fama de sermos sociáveis e calorosos, será que é culpa da cultura do cada um por si e deus pra todos?

Nas fábricas onde há brasileiros, sempre existem as panelinhas, os fuxicos, e aqueles que querem puxar o tapete dos outros para se sobressair, e não são poucos os casos, cada brasileiro que encontrei, tem pelo menos duas ou três estórias pra contar de casos assim, de brigas por causa de nada, e juras de vingança quando voltar ao Brasil. O que há de errado conosco?

Não sei se isso é em parte um reflexo de nossa estada temporária no Japão, que torna as relações um tanto superficiais, ou se realmente nos tornamos um bando de convencidos, que não ligam pra ninguém, pois me lembro que no Brasil, as coisas eram diferentes, lá ao menos, existia um pouco de calor humano, coisa que por aqui é cada vez mais rara.

Em um país em que quem ganha mais pode mais, acabamos por nos deixar envenenar pela inveja, inveja de um carro melhor, de um apartamento melhor, de um domínio da língua melhor, de um status melhor com o chefe, tudo coisas que são na verdade passageiras, pois voltando ao Brasil, tudo não passará de uma lembrança.

Mas continuamos nos degladiando por causa disso, pois nos falta a consciência, de que somos brasileiros nessa terra, e devíamos nos ajudar ao invés de ficar tentando pisar em cima dos outros.

Mas é essa a realidade, enquanto uns rosnam outros riem, e assim nossa vida no Japão continua.

É isso aí, um abraço.

Anúncios




A imagem do país.

1 06 2009

Olá a todos.

Você se preocupa com a imagem do seu país?

Entre várias coisas que sinto de diferente entre o Japão e o Brasil, é a imagem que os japoneses tem de seu país e de sua cultura.

Aqui no Japão vejo sempre na TV, que é um ótimo termômetro da cultura em qualquer país, uma tendência a sempre valorizar o Japão em si. São programas mostrando vários lugares do país, com um apelo para um turismo rápido, com dicas gastronômicas e um pouco da história do lugar.

Os programas desse tipo, e outros que mostram muito da cultura e história de vários lugares do país, são coisas que gosto muito, pelo fato de mostrarem bastante a cultura, e também o cuidado e o orgulho que os japoneses tem com sua história. Algumas vezes, são locais onde não existe nada de muito especial, apenas um monumento mostrando que naquele lugar nasceu uma figura ilustre, mas a TV faz questão de mostrar a todos os expectadores que esse lugar existe.

Outras vezes mostram estabelecimentos comerciais que preparam um prato típico da região, e algo que sempre é citado é o fato do estabelecimento ter sido fundado a 100, 200 anos, e existem até aqueles que tem 400 ou 500 anos de história, e percebe-se o orgulho das pessoas em mostrar que continuam dando continuidade a uma tradição centenária.

E também existem os programas que mostram os artesãos japoneses com sua arte também centenária, e é sempre frisado que o artesão atual é o nono, décimo, ou vigésimo de uma linhagem de artesãos, com uma arte que é passada de pai para filho, e todo esse artesanato é na verdade um legado cultural sem preço.

E fora outros tantos programas mostrando as biografias de personagens famosos do Japão, desde samurais até pintores e escritores, ou qualquer figura que tenha contribuído de alguma forma para o enriquecimento da cultura no Japão.

Tudo isso me fez sentir que os japoneses são um povo que gosta de seu país, de sua cultura, e fazem questão de lembrarem isso no dia-a-dia, e não é raro escutar na TV frases como, “como é bom ser japonês”, ou então, “que bom ter nascido no Japão”. E todas são frases que demonstram o orgulho que tem de sua pequena ilha e de sua história.

Eu sendo brasileiro de nascença, apesar de ser neto de imigrantes japoneses, sinto uma certa inveja disso tudo, pois o meu país, que apesar de tudo o que há de errado nele, é um país maravilhoso, com uma cultura rica e um povo hospitaleiro, mas que não tem uma boa imagem de seu país, não são raras as opiniões de que o Brasil não tem jeito, de que o problema é a corrupção, a impunidade, e outros lugares comuns que de tanto ouvir, acabamos por ficar anestesiados. E acabamos por não mais enxergar o grande potencial que existe dentro do Brasil, mas se começarmos a enxergar as coisas com outros olhos, de repente  tudo pode mudar.

Como sempre digo, ainda tenho muito que aprender por aqui, um abraço pessoal.





Onde isso vai parar.

20 05 2009

Olá pessoal.

Encontrei ontem uma notícia no site do G1, que me deixou preocupado, a xenofobia, que é um comportamento considerado normal em tempos de crise, está começando a tomar forma também no Japão.

Enquanto vivemos na incerteza do amanhã aqui no Japão, me parece que este país está tentando tornar os estrangeiros responsáveis por uma parte da crise atual, de repente nos tornamos “persona non grata” neste país.

E o mais incrível de tudo é que internamente, não há nenhuma informação sobre as declarações da reportagem, eles simplesmente omitem dos noticiários qualquer informação que possa ser constrangedora para o governo japonês. O governo japonês, despachando os brasileiros? Mentira, não ouvi uma só palavra na TV nem nos jornais. Essa é a reação dos japoneses, eles preferem fechar os olhos para os problemas, pois o que os olhos não veem o coração não sente.

Pior para nós os descendentes, que temos tanta afinidade com essa terra, pois achamos que somos como irmãos que vieram de fora e seríamos aceitos facilmente, ledo engano, pois quando a coisa aperta ouvimos afirmações cínicas de políticos que  não sabem o quanto é sofrido viver e trabalhar em um país estranho. Na época em que o Japão precisava de mão de obra e os jovens desse país não queriam trabalhar em serviços pesados e sujos, viemos e demos nossa contribuição, e agora que não somos mais necessários simplemente somos convidados a nos retirar.

E a sociedade no geral, simplesmente ignora esse fato, pois com uma mídia manipulada, não se tem conhecimento de nada, nem desse “incentivo” do governo para a retirada dos estrangeiros, nem das afirmações polêmicas de alguns políticos, a xenofobia está se tornando um cinismo deslavado, e nós as “vítimas” disso, somos obrigados a aceitar tudo sem discutir.

E sobre essa idéia de “exigir o conhecimento do idioma japonês para a liberação do visto”, eu duvido que metade dos estrangeiros passe em qualquer prova que o governo venha a exigir, e principalmente os que estão faz pouco tempo no país, pois muitas províncias e prefeituras não tem um programa que ajude o estrangeiro a se integrar a comunidade japonesa. Simplesmente muitos apontam dizendo isto ou aquilo é errado, mas não fazem muito para ensinar os costumes e as regras da vida no Japão. Simplesmente fecham os olhos para o fato de que não vivemos de graça aqui, também pagamos impostos como qualquer japonês, tudo o que eles pagam nós brasileiros também pagamos, e agora somos simplesmente convidados a nos retirar, como se o tempo em que estivemos aqui, fosse um favor gratuito feito pelo governo japonês.

Por isso me pergunto, onde é que vai parar tudo isso, o cinismo de um governo que agora quer lavar as mãos, quando vê que não há como arrumar facilmente uma colocação para os estrangeiros, mais a xenofobia de um povo, que acha que todos os problemas serão resolvidos apenas ignorando a presença desses estrangeiros do seu quintal.

E assim caminha o Japão nos dias de hoje.





Língua Japonesa.

16 04 2009

Para todos que estão aprendendo japonês, fica aqui a dica de um blog que na minha opinião está fazendo um excelente trabalho.

O blog “Língua Japonesa“, e o Meu Kanji, do autor Eduardo Monteiro S. de Sousa.

“O Língua Japonesa é um curso de japonês online e grátis para todos que se interessam pelo maravilhoso idioma oriental. Aqui você vai ter tudo o que precisa para aprender japonês de forma simples, divertida e descomplicada.”

É só clicar no link deste post ou no banner da lista de links para acessar, recomendo a leitura para todos que querem aprender um pouco mais da língua japonesa.





A diferença nossa de cada dia.

7 04 2009

Olá pessoal.

Hoje andei pensando novamente sobre as diferenças entre brasileiros e japoneses aqui no Japão. Porque gostar ou desgostar uns dos outros?

Há aqueles que gostam daqui, por causa do dinheiro, da segurança, da estabilidade e tudo o mais que existe de bom nessa terra.

E há aqueles que não gostam daqui, por causa da cultura, da língua, das pessoas, e tudo o mais que possa tornar a vida aqui mais difícil.

Acredito que todos aqueles que não gostam daqui, sejam aqueles com problemas de adaptação, conheci muitos deles, uns diziam ficarem nervosos por não entenderem o que os japoneses diziam, outros achavam os japoneses muito “bobos”, ficavam sempre rindo de piadas sem graça e brincadeiras infantis, outros se achavam segregados pelos japoneses, diziam que por serem brasileiros, eram tratados de maneira diferente.

Todas as reclamações tem seu fundo de verdade, mas se forem vistos de um outro ponto de vista, mostra a falta de conhecimento e a falta de habilidade em se lidar com uma cultura diferente.

Sobre os japoneses parecerem bobos, por um certo lado concordo, mas acho que isso se deve a cultura do pós-guerra, não existe tensão, nem uma vida “dura” o suficiente para que sejam “espertos” como os brasileiros, por causa disso, acho que não existe a malícia acentuada de um brasileiro, acostumado a sempre supor que o próximo pode lhe sacanear.

O humor japonês e as piadas, são outra coisa que os brasileiros não entendem, o senso de humor japonês é totalmente diferente do nosso, assim os japoneses não entendem nossas piadas, assim como eu não entendo as piadas dos americanos, cada povo tem uma maneira própria de entender as coisas, sendo assim não há como se entrar em um consenso, a não ser que se conheça a cultura e a língua uns dos outros.

Os japoneses não entendem a graça de uma piada de portugues e brasileiros não entendem aqueles dois comediantes que falam rápido pra caramba e ficam batendo na cabeça um do outro, mas fazer o que, é a cultura de cada povo e fica difícil explicar tanto para o japonês como para o brasileiro, só tendo um bom conhecimento da língua e dos costumes é que se pode entender o porque de tantas risadas dos dois lados.

E finalmente existe a reclamação da discriminação que muitos “pensam” sofrer, eu digo “pensam” porque na grande maioria das vezes é só uma impressão causada pela maneira de agir dos japoneses ou pela maneira de falar, mas vendo “de fora”, como um observador, muitas vezes a maneira como os brasileiros falam com os japoneses, é um palavreado seco, pela falta de conhecimento do idioma, e desrespeitosamente intimista para os costumes japoneses, que são um povo muito reservado, o que no final acaba causando um distanciamento pela estranheza da cultura e dos costumes do brasileiro, que dá a impressão de que os japoneses não gostam de brasileiros ou não querem conversar conosco.

Mas apesar de todas as diferenças e dificuldades, conheci pessoas que se adaptaram muito bem ao Japão, assim como os japoneses que foram ao Brasil também se adaptaram, e assim continuamos nosso intercâmbio.

É isso aí pessoal, até a próxima.

Um abraço.





Outra vez sobre a crise.

28 03 2009
crise1

A coisa tá feia

Mais uma vez volto a falar sobre a crise aqui nesse blog, mas fazer o que, esse é o assunto que tem agitado o Japão e o mundo nos últimos tempos.

Por aqui, as coisas não mudaram muito, ainda há muitos desempregados, e eu me incluo nesse grupo ainda, e ainda há uma tendência das coisas piorarem se o governo não acelerar as medidas para aquecer a economia.

E sobre a crise no Japão? Quando o Japão vai sair dessa?

Sobre essas perguntas, as opiniões ainda são muito diversas, há especialistas dizendo que vai piorar, há outros que dizem que vai melhorar, e há os que não tem previsão nenhuma, é esperar para ver.

Vamos começar pelas boas notícias, o pacote de incentivo do governo japonês, que no início foi muito criticado, finalmente começou a entrar em vigor, e com o anúncio de um aumento na verba de incentivo, feito pelo governo japonês na reunião do G20, deu um novo ânimo ao mercado de ações, mas por enquanto aqui embaixo onde está a grande maioria da população, ainda não se sentiu efeito nenhum. Mas isso não deixa de ser uma boa notícia nessa depressão que tem assolado o Japão nesses últimos tempos, e ao menos por enquanto houve uma refreada na queda livre em que se encontra a economia.

Agora as más notícias, a queda na produção das empresas está se fazendo sentir no mercado de consumo. Com as vendas em baixa as fábricas estão diminuindo as horas de trabalho e em consequência os trabalhadores ganham menos, e ganhando menos, gastam menos e aí se criou um círculo vicioso que no momento só tende a aumentar. O setor de serviços era o único que ainda se mantinha estável, mas como o dinheiro está parando de circular há uma retração maior vindo por aí. E ainda há o tão temido fim do ano fiscal, que virá com uma nova onda de desemprego e falências.

O que mais assusta nesse cenário todo, não só aqui no Japão mas em todo o mundo, é o movimento protecionista que se alastra por toda a parte, a Comunidade Européia começou dificultar a colocação de estrangeiros no mercado de trabalho, uma medida polêmica, mas como o xenofobismo é sempre o sintoma clássico nesses casos, já era de se esperar que algo assim aconteceria. Aqui no Japão as coisas ainda não chegaram a esse extremo, mas cedo ou tarde vai começar, pois é uma tendência natural dos países tentar proteger seus cidadãos.

Entre boas e más notícias, uma coisa continua sendo válida, nós que estamos aqui, devemos nos preparar da melhor maneira possível para poder competir no mercado de trabalho. Como sempre digo a todos, a importância de falar a língua da terra em que se vive, a importância da comunicação, do respeito pelos costumes, da aceitação da cultura, tudo é válido para se melhorar as chances de encontrar um emprego, e também melhorar a qualidade de vida.

É isso aí, até outra.





Nossa língua portuguesa?

26 03 2009

Pergunta

Depois de muito tempo aqui no Japão, começo a sentir muita falta da língua portuguesa, não aquela falada hoje pelos brasileiros que estão aqui, mas aquela que me lembro, ouvida no dia-a-dia lá no Brasil, aquela língua cheia de variações e nuances que era diferente para cada pessoa que conversava, desde o engraxate até o gerente do banco.

Aqui tenho visto uma constante diminuição do vocabulário das pessoas. O fato de se conviver em um ambiente de poucas pessoas, brasileiros eu quero dizer, e o fato também de se falar sempre sobre os mesmos assuntos dentro das fábricas, mais a falta do hábito da leitura, vai tornando o vocabulário das pessoas um tanto limitado.

Todas estas coisas juntas vão aos poucos minando o vocabulário já um tanto pobre, tornando-o limitado ao ponto de não se conseguir lembrar de palavras corriqueiras usadas no dia-a-dia, mais de uma vez em conversas entre amigos ouvi a frase, “como é que se falava isso em português mesmo?”, ou então as pessoas sem se dar conta, acabam misturando palavras da língua japonesa no meio de frases, para tapar os buracos causados pelo esquecimento dos termos em português.

Mas apesar de tudo defendo a idéia de que é necessário um auto-policiamento forte, para não se cair na armadilha de misturar os dois idiomas, pois automaticamente nos expressamos da maneira que o meio se expressa, ou seja se todos falam errado, ou com um vocabulário muito restrito, acabamos por nos deixar contaminar também. Claro que isso é um efeito da mescla de culturas e chega a ser inevitável, mas na medida do possível gostaria que brasileiros praticassem ao menos falar o português e se orgulhassem de nossa língua que é tão rica e melodiosa.

Apesar de tudo posso estar vendo o nascimento de um novo dialeto derivado da mistura do japonês e do português. Infelizmente essa pode ser a realidade vivida por nós, perdidos aqui do outro lado do mundo.

Por hoje é só, qualquer opinião, deixe um comentário.

Um abraço.