Preconceito ou não?

3 06 2009

Olá a todos.

Tem horas que fico de saco cheio dessa terra, principalmente quando fica evidente alguma diferenciação pelo fato de ser brasileiro.

Quem está lendo meu blog, pode perguntar o porque dessa minha afirmação, pois na maioria de meus posts, procuro mostrar o Japão, e os japoneses, não com seres de outro planeta, mas como pessoas comuns, da maneira que eu vejo.

Mas tem horas que não dá, principalmente quando vou procurar um emprego, sinto que muitas vezes sou visto como um estorvo, aquela velha mania dos japoneses pensarem que por eu ter vindo de um país pobre, também sou intelectualmente pobre, sem capacidade de executar um trabalho que porventura me seja ordenado.

Tudo bem, até entendo o lado deles, se você vai contratar alguém para trabalhar, é até normal que queira o melhor, o mais preparado, mas sem nem mesmo procurar saber qual é a capacidade do candidato, já ir dizendo que o trabalho é difícil, que não sabe se você vai se adaptar, que pode ter problema com a língua, e outras afirmações que demonstram que o entrevistador está claramente duvidando de sua capacidade, justamente pelo fato de ser brasileiro, são coisas que não suporto.

Digo isso, não por me achar melhor que os outros, mas por ter me preparado, aprendido a língua, os costumes e a cultura dessa terra, e creio que nesse quesito, não devo nada a ninguém. Mas sempre acabo batendo de frente com essa barreira, que é o fato dos japoneses acabarem vendo os brasileiros, como refugiados econômicos acampando no quintal deles.

Creio que enquanto durar essa crise econômica, estamos fadados a essa sina, sermos visto como um problema, algo que deveria ser erradicado, pois não somos os descendentes dos bravos japoneses que foram ao outro lado do mundo, como sempre é dito nas comemorações da imigração, somos na visão deles, uns pobres coitados que vieram em busca de migalhas da fartura nipônica. E agora que não há mais essa fartura, somos um problema, apenas isso.

Deixo aqui o meu protesto, pois não existe ninguém totalmente incapaz, existe sim a incapacidade de se dar uma chance a nós brasileiros, para provarmos que podemos sim, trabalhar e viver dignamente nessa terra.

É isso aí pessoal, até outra.





Onde isso vai parar.

20 05 2009

Olá pessoal.

Encontrei ontem uma notícia no site do G1, que me deixou preocupado, a xenofobia, que é um comportamento considerado normal em tempos de crise, está começando a tomar forma também no Japão.

Enquanto vivemos na incerteza do amanhã aqui no Japão, me parece que este país está tentando tornar os estrangeiros responsáveis por uma parte da crise atual, de repente nos tornamos “persona non grata” neste país.

E o mais incrível de tudo é que internamente, não há nenhuma informação sobre as declarações da reportagem, eles simplesmente omitem dos noticiários qualquer informação que possa ser constrangedora para o governo japonês. O governo japonês, despachando os brasileiros? Mentira, não ouvi uma só palavra na TV nem nos jornais. Essa é a reação dos japoneses, eles preferem fechar os olhos para os problemas, pois o que os olhos não veem o coração não sente.

Pior para nós os descendentes, que temos tanta afinidade com essa terra, pois achamos que somos como irmãos que vieram de fora e seríamos aceitos facilmente, ledo engano, pois quando a coisa aperta ouvimos afirmações cínicas de políticos que  não sabem o quanto é sofrido viver e trabalhar em um país estranho. Na época em que o Japão precisava de mão de obra e os jovens desse país não queriam trabalhar em serviços pesados e sujos, viemos e demos nossa contribuição, e agora que não somos mais necessários simplemente somos convidados a nos retirar.

E a sociedade no geral, simplesmente ignora esse fato, pois com uma mídia manipulada, não se tem conhecimento de nada, nem desse “incentivo” do governo para a retirada dos estrangeiros, nem das afirmações polêmicas de alguns políticos, a xenofobia está se tornando um cinismo deslavado, e nós as “vítimas” disso, somos obrigados a aceitar tudo sem discutir.

E sobre essa idéia de “exigir o conhecimento do idioma japonês para a liberação do visto”, eu duvido que metade dos estrangeiros passe em qualquer prova que o governo venha a exigir, e principalmente os que estão faz pouco tempo no país, pois muitas províncias e prefeituras não tem um programa que ajude o estrangeiro a se integrar a comunidade japonesa. Simplesmente muitos apontam dizendo isto ou aquilo é errado, mas não fazem muito para ensinar os costumes e as regras da vida no Japão. Simplesmente fecham os olhos para o fato de que não vivemos de graça aqui, também pagamos impostos como qualquer japonês, tudo o que eles pagam nós brasileiros também pagamos, e agora somos simplesmente convidados a nos retirar, como se o tempo em que estivemos aqui, fosse um favor gratuito feito pelo governo japonês.

Por isso me pergunto, onde é que vai parar tudo isso, o cinismo de um governo que agora quer lavar as mãos, quando vê que não há como arrumar facilmente uma colocação para os estrangeiros, mais a xenofobia de um povo, que acha que todos os problemas serão resolvidos apenas ignorando a presença desses estrangeiros do seu quintal.

E assim caminha o Japão nos dias de hoje.





O custo Japão.

16 05 2009

Olá a todos.

Muitas pessoas imaginam que viver no Japão, é como viver em um conto de fadas, ganha-se muito dinheiro e vive-se confortavelmente sem qualquer dificuldade.

Em parte isso é verdade, existe a estabilidade que não existe no Brasil, os impostos são justos e a qualidade de vida é bem melhor, mas existe também, várias outras coisas que não são levadas em conta, quando as pessoas imaginam a vida no Japão.

Um dos mitos, é que se ganha muito bem por aqui. Não vou dizer que é mentira, se comparado ao Brasil onde ganha-se uma miséria para sobreviver, no Japão ao menos, existe uma padronização de renda que não existe no Brasil.

Mas apesar do salário alto, na média de 2,000 dólares por mês, o custo de vida aqui é muito alto. Para se ter um padrão de vida aceitável no Japão, gasta-se mais ou menos 1,500 dólares por mês. Um simples apartamento que não chega a ter 50 metros quadrados de área, custa na média 600 dólares por mês, a conta de energia elétrica chega a 120 dólares por mês, a conta com alimentação de um casal pode passar de 500 dólares por mês. Isso sem contar outros gastos como carro, telefone, internet e outros penduricalhos de nossa vida moderna.

Por tudo isso, as pessoas que acham que vivemos no céu, não se enganem, tudo tem um preço, e no Japão, ganha-se mais para poder pagar tudo isso, que custa muito mais caro que no Brasil.

Um abraço e até outra pessoal.





É duro ser estrangeiro.

15 05 2009

Olá pessoal, ultimamente não tive muito ânimo para escrever nada para este blog, mas resolvi me mexer um pouco, e tirar a poeira de cima do teclado, que já estava acumulando, desculpem pela demora, e vamos lá.

Essa semana, fui novamente a agência de empregos do governo(Hello Work), para tentar encontrar um emprego.

Tive uma conversa com um dos funcionários da agência, para ver que tipo de emprego seria melhor para o meu perfil. Mas infelizmente não tive sorte dessa vez, os empregos estão cada vez mais escassos, e as empresas estão cada vez mais exigentes na seleção dos candidatos.

Um dos motivos pelo qual os empregos para estrangeiros estão escassos, é o excesso de mão de obra no mercado, não apenas estrangeiros, mas também japoneses, outro agravante é a falta de empresas que estão dispostas a contratar um estrangeiro para trabalhar.

Isso pode soar como discriminação, mas não seria exatamente isso, os brasileiros que estão procurando trabalho hoje, ainda pensam em sua estada no Japão como algo temporário, não pensam em morar no Japão, isso mesmo estando aqui a dez, quinze anos, a maioria pretende voltar ao Brasil “um dia”. Isso para uma empresa japonesa, é muito difícil de se lidar, como contratar uma pessoa que pode de repente ir embora para o Brasil? A empresa que conta com esse funcionário no seu quadro, pode perder todo o investimento feito no treinamento, e pode ter seu quadro desfalcado sem ter tempo para repor um funcionário mais especializado, o que pode gerar muitos transtornos.

Não condeno as empresas por esse tipo de pensamento, creio que elas estão no direito de escolher o que é melhor para a sobrevivência da empresa, mas não deixo de ter um pouco de mágoa, por pensar que somos todos tratados de maneira diferente por sermos estrangeiros.

Me parece que o caminho para se resolver o problema dos brasileiros que eram trabalhadores temporários, ainda tem muito a ser feito, por um lado a desconfiança de um mercado de trabalho que não conhece a mão de obra brasileira e um governo que não sabe como lidar com o grande número de desempregados que abarrotam as agências de emprego. E por outro lado os brasileiros desempregados, que em sua grande maioria não fizeram muito para tentar se adaptar ao Japão, e agora não conseguem se adaptar ao sistema imposto pela crise que afeta o Japão e o mundo.

É isso aí pessoal, um abraço e até outra.





Outra vez sobre a crise.

28 03 2009
crise1

A coisa tá feia

Mais uma vez volto a falar sobre a crise aqui nesse blog, mas fazer o que, esse é o assunto que tem agitado o Japão e o mundo nos últimos tempos.

Por aqui, as coisas não mudaram muito, ainda há muitos desempregados, e eu me incluo nesse grupo ainda, e ainda há uma tendência das coisas piorarem se o governo não acelerar as medidas para aquecer a economia.

E sobre a crise no Japão? Quando o Japão vai sair dessa?

Sobre essas perguntas, as opiniões ainda são muito diversas, há especialistas dizendo que vai piorar, há outros que dizem que vai melhorar, e há os que não tem previsão nenhuma, é esperar para ver.

Vamos começar pelas boas notícias, o pacote de incentivo do governo japonês, que no início foi muito criticado, finalmente começou a entrar em vigor, e com o anúncio de um aumento na verba de incentivo, feito pelo governo japonês na reunião do G20, deu um novo ânimo ao mercado de ações, mas por enquanto aqui embaixo onde está a grande maioria da população, ainda não se sentiu efeito nenhum. Mas isso não deixa de ser uma boa notícia nessa depressão que tem assolado o Japão nesses últimos tempos, e ao menos por enquanto houve uma refreada na queda livre em que se encontra a economia.

Agora as más notícias, a queda na produção das empresas está se fazendo sentir no mercado de consumo. Com as vendas em baixa as fábricas estão diminuindo as horas de trabalho e em consequência os trabalhadores ganham menos, e ganhando menos, gastam menos e aí se criou um círculo vicioso que no momento só tende a aumentar. O setor de serviços era o único que ainda se mantinha estável, mas como o dinheiro está parando de circular há uma retração maior vindo por aí. E ainda há o tão temido fim do ano fiscal, que virá com uma nova onda de desemprego e falências.

O que mais assusta nesse cenário todo, não só aqui no Japão mas em todo o mundo, é o movimento protecionista que se alastra por toda a parte, a Comunidade Européia começou dificultar a colocação de estrangeiros no mercado de trabalho, uma medida polêmica, mas como o xenofobismo é sempre o sintoma clássico nesses casos, já era de se esperar que algo assim aconteceria. Aqui no Japão as coisas ainda não chegaram a esse extremo, mas cedo ou tarde vai começar, pois é uma tendência natural dos países tentar proteger seus cidadãos.

Entre boas e más notícias, uma coisa continua sendo válida, nós que estamos aqui, devemos nos preparar da melhor maneira possível para poder competir no mercado de trabalho. Como sempre digo a todos, a importância de falar a língua da terra em que se vive, a importância da comunicação, do respeito pelos costumes, da aceitação da cultura, tudo é válido para se melhorar as chances de encontrar um emprego, e também melhorar a qualidade de vida.

É isso aí, até outra.





O choque de culturas.

15 03 2009

Olá pessoal, vou continuar falando sobre as diferenças culturais.

Nas fábricas aqui no Japão, tive a oportunidade ver muitos casos de mal-entendidos devido as diferenças entre o modo de pensar dos japoneses e brasileiros.

O brasileiro tem o hábito devido a cultura, de pensar por si mesmo e ir dando um jeito em tudo, enquanto os japoneses geralmente esperam uma ordem para se moverem, e isso muitas vezes faz com que os brasileiros sejam vistos como indisciplinados, algumas vezes por não entenderem uma ordem direito e logo partirem para a ação e fazerem errado, outras vezes por acharem que isto ou aquilo não está bom e tentarem arrumar do seu jeito. Isso muitas vezes não é aceito pelos chefes, pois na cabeça dos japoneses, é necessário cumprir uma norma não dita, na qual quem manda é seu superior e é necessário passar pelas fases de comunicar, explicar, receber a autorização e só depois partir para a execução.

O interessante é que mesmo o resultado sendo positivo, os chefes costumam dizer que precisam ser avisados em primeiro lugar. Aí é que vejo a diferença entre as culturas, o brasileiro tem por cultura uma atitude mais complacente com as coisas, tanto no trabalho como na vida. Em contrapartida, os japoneses por cultura são um povo que se organiza coletivamente para tudo, por isso há sempre a necessidade da hierarquia, de um líder, e é sempre bem demarcada a linha entre líderes e liderados.

Já ouvi comentários de brasileiros como “porque tenho que obedecer um cara mais burro que eu?” ou “que cara mais burro, não sei como chegou a chefe.”, comentários típicos de vários brasileiros que conheci.

Por outro lado também já ouvi desabafos dos chefes como “porque ele nunca escuta o que falo?” ou “porque tenho que repetir sempre a mesma coisa?”

Nós os brasileiros não temos disciplina ou os japoneses não tem tolerância?

Acho que nenhum dos dois, o que existe é a falta de conhecimento e compreensão mútuas, e também os dois lados costumam generalizar a maneira de se verem. Tanto aqui no Japão como no Brasil existem hábitos e regras que devem ser seguidas para uma convivência pacífica.

Praticamente a história da comunidade brasileira no Japão ainda é muito recente e acho que ainda há muito a ser feito para que possamos, japoneses e brasileiros, nos entender.

É isso aí, um abraço pessoal.





Sobre brasileiros e a crise no Japão.

14 03 2009

Alguns dias atras, para minha surpresa, tive meu post  “A falta de preparo.“, citado em um artigo sobre a crise no Japão.

O artigo “Japan, Brazil: Crisis puts an end to the dream of a better life.“(Japão, Brasil: Crise põe fim ao sonho de uma vida melhor.), escrito por Paula Góes, o artigo está em inglês.

Achei interessante saber que existem pessoas fora do eixo Brasil/Japão, que se importam em divulgar a situação passada pelos brasileiros na crise atual.